alt="REFIS-Extraordinario-II"

Empresas podem obter descontos de até 40% nos juros e multas com o REFIS Extraordinário II

Acompanhe conteúdos e as movimentações práticas a respeito da interpretação do direito tributário para empresas

O Governo de Mato Grosso abriu, nesta segunda-feira (22.04), prazo para empresas em recuperação judicial ou que tiveram a falência decretada possam aderir ao REFIS Extraordinário II – Programa de Recuperação de Créditos/Recuperação Judicial e obter benefícios na negociação. 

A negociação relativa aos créditos inscritos em dívida ativa com as vantagens do programa deve ser feita com a Procuradoria Geral do Estado (PGE) e, as referentes a créditos tributários ainda não encaminhados para a inscrição em dívida ativa, com a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz). 

Resumo:

Quem pode aderir ao Programa REFIS MT ICMS?

    Contribuintes com créditos tributários relacionados ao ICM e ICMS, constituídos ou não, inscritos ou não em Dívida Ativa, inclusive objeto de parcelamentos anteriores rescindidos ou ativos, em discussão administrativa ou judicial, até 30 de junho de 2023.

    Qual o prazo para adesão ao Programa REFIS ICMS?

      A adesão pode ser formalizada até 31 de maio de 2024.

      Como é feita a adesão ao Programa REFIS ICMS?

        A adesão é feita por meio de assinatura de Termo de Confissão e Parcelamento de Débito, conforme modelo fornecido pelas unidades gestoras, conforme especificado no regulamento.

        Para atendimento presencial, o contribuinte pode se dirigir até a sede da PGE e unidades do Ganha Tempo. A negociação também pode ser feita online pelos sistemas fazendários, pelo site da PGE ou pelo aplicativo MT Cidadão.

        Quais são as condições de pagamento oferecidas pelo Programa REFIS ICMS?

          Os débitos podem ser pagos de várias formas, com diferentes reduções nos juros e multas, incluindo pagamento à vista com redução de 40% (para descumprimento da obrigação principal) ou 40% (para penalidades pecuniárias por mero descumprimento de obrigações acessórias).

          Obrigação Principal:

          ✅ 40% de redução para pagamento integral e à vista

          ✅ 30% de redução para pagamento em 2 a 12 parcelas

          ✅ 20% de redução para pagamento em 13 a 36 parcelas

          ✅ 10% de redução para pagamento em 37 a 60 parcelas

          Obrigações Acessórias:

          ✅ 40% de redução para pagamento integral e à vista

          ✅ 30% de redução para pagamento em 2 a 4 parcelas

          ✅ 20% de redução para pagamento em 5 a 8 parcelas

          ✅ 10% de redução para pagamento em 9 a 12 parcelas

          Como funciona o parcelamento da verba ao FUNJUS no Programa REFIS ICMS?

            A verba devida ao FUNJUS pode ser parcelada em até 24 parcelas, mensais e sucessivas, limitadas ao valor mínimo de 5 UPFMT por parcela, incidente sobre o valor do crédito tributário efetivamente pago com os benefícios do programa.

            Você pode gostar de ler também: Crédito tributário: O que é, como se constitui e quais os lançamentos existentes

            ICM E ICMS MT

            O programa, instituído pelo Decreto nº 819 de 16 de abril deste ano, oferece oportunidades significativas de negociação de dívidas tributárias com a possibilidade de parcelamento e redução considerável de multas e juros. 

            As empresas beneficiadas pelo programa podem alcançar descontos de até 40% nos juros e multas para dívidas relacionadas ao Imposto de Circulação de Mercadorias (ICM) e Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), decorrentes de fatos geradores ocorridos até 30 de junho de 2023.

            “Essa é uma oportunidade que o Governo do Estado está dando para que as empresas inadimplentes possam negociar seus débitos. O programa foi especialmente projetado para ajudar as empresas a superarem crises financeiras, permitindo a manutenção da produção e dos empregos enquanto gerenciam suas obrigações tributárias de forma mais sustentável”, afirmou o procurador-geral do Estado, Francisco Lopes. 

            Dívida de impostos estadual


            A adesão ao programa pode ser requerida até o dia 30 deste mês, na PGE ou na Sefaz. 

            O programa oferece várias faixas de parcelamento, que podem estender-se até 180 meses, com os percentuais de desconto variando de acordo com o número de parcelas, da seguinte forma:

            • Redução de 40% nas multas e juros para pagamentos em até 48 parcelas
            • Redução de 35% para pagamentos entre 49 e 72 parcelas
            • Redução de 30% para pagamentos entre 73 e 96 parcelas
            • Redução de 25% para pagamentos entre 97 e 120 parcelas
            • Redução de 20% para pagamentos entre 121 e 144 parcelas
            • Redução de 15% para pagamentos entre 145 e 180 parcelas

            O subprocurador-geral fiscal do Estado, Jenz Prochnow, explicou que a cada ano a PGE tem oferecido mais facilidades para os contribuintes negociarem seus débitos. 

            “O Estado tem dado todas as possibilidades para que os contribuintes possam negociar e quitar suas dívidas e saiam da inadimplência, a partir de campanhas de negociação e canais de atendimento remotos, não sendo necessário ir presencialmente”, afirmou. 

            Para atendimento presencial, o contribuinte pode se dirigir até a sede da PGE e unidades do Ganha Tempo. A negociação também pode ser feita online pelos sistemas fazendários, pelo site da PGE ou pelo aplicativo MT Cidadão.

            A PGE também disponibiliza os contatos do WhatsApp: (65) 9 9248-3233 e 9 9608-8566.

            Na negociação para pessoas jurídicas é necessário apresentar a cópia do contrato social e a última alteração social da empresa; RG e CPF do representante legal constante no contrato social; instrumento de mandato, se for o caso, acompanhado com a cópia do RG e CPF do procurador.

            Informações detalhadas:

            CONSIDERANDO, por outro ângulo, que o Estado de Mato Grosso editou a Lei n° 12.358, de 15 de dezembro de 2023 (DOE da mesma data), cujo artigo 1° dispõe que as referências aos índices de correção e/ou atualização monetária e a juros de mora contidos em Leis que indica, as quais tratam da exigência de tributos neste Estado, ficam substituídas pelos indicadores estabelecidos pela União para os mesmos fins;

            CONSIDERANDO o disposto no artigo 1° do Decreto n° 762, de 27 de fevereiro de 2024 (DOE de 28/02/2024), que determinou a utilização, no território mato-grossense, da taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia – SELIC como critério de quantificação dos juros de mora devidos nas hipóteses de pagamento extemporâneo de débitos relativos a tributos estaduais, respeitadas as disposições do citado artigo e dos artigos 922 a 922-B do Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto n° 2.212, de 20 de março de 2014, atendidas as alterações do referido Decreto n° 762/2024;

            CONSIDERANDO, por fim, o disposto no § 2° do artigo 11 da Lei n° 11.329/2021;

            DECRETA:

            GESTÃO E ABRANGÊNCIA DO SEGUNDO – PROGRAMA REFIS/EXTRAORDINÁRIO II

            Art. 1° Fica instituído o Segundo Programa Extraordinário de Recuperação de Créditos Tributários do Estado de Mato Grosso – Programa REFIS/Extraordinário II, para pagamento e parcelamento de créditos tributários relacionados com o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias – ICM e com o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação – ICMS, decorrentes de fatos geradores ocorridos até 30 de junho de 2023, constituídos ou não, inscritos ou não em Dívida Ativa, inclusive objeto de parcelamentos anteriores rescindidos ou ativos, espontaneamente denunciados pelo contribuinte, em discussão administrativa ou judicial, com redução de até 40% (quarenta por cento) dos juros de mora e de multas, observadas as condições e limites estabelecidos neste decreto e na legislação estadual.

            § 1° A gestão do Programa REFIS/Extraordinário II compete:

            I – à Procuradoria-Geral do Estado – PGE, relativamente aos créditos tributários que estiverem sob sua gestão, ainda que não efetuada a respectiva inscrição em dívida ativa;

            II – à Secretaria de Estado de Fazenda – SEFAZ, relativamente aos créditos tributários que estiverem sob a sua gestão, ainda não encaminhados para inscrição em dívida ativa.

            § 2° Fica vedada a concessão de parcelamento, no âmbito da Secretaria de Estado de Fazenda – SEFAZ/MT, para extinção de créditos tributários, inscritos ou não em dívida ativa, que já se encontrarem sob a gestão da Procuradoria-Geral do Estado – PGE/MT.

            § 3° O disposto neste regulamento alcança os créditos tributários devidos por microempresas e empresas de pequeno porte, inclusive quando optantes pelo Simples Nacional, exceto os valores de ICMS referentes à Declaração Anual do Simples Nacional – DASN ou ao Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional – Declaratório – PGDAS-D, ainda que lançados de ofício.

            § 4° Os benefícios do Programa REFIS/Extraordinário II não se aplicam aos casos de dolo, fraude ou simulação do sujeito passivo ou de terceiro em benefício daquele.

            Art. 2° Os créditos tributários relacionados com o ICM e com o ICMS, submetidos ao Programa REFIS/Extraordinário II, serão consolidados, de forma individualizada, na data do pedido de ingresso no referido Programa, com todos os acréscimos legais e penalidades previstos.

            § 1° Para os fins do Programa REFIS/Extraordinário II, a consolidação será efetuada em relação a:

            I – cada certidão de dívida ativa, no caso dos créditos já inscritos em dívida ativa;

            II – cada crédito lançado pela Secretaria de Estado da Fazenda, que não tenha sido inscrito em dívida ativa.

            § 2° O Programa REFIS/Extraordinário II abrange todos os créditos pendentes, inclusive os que foram objeto de negociação, os saldos remanescentes de parcelamentos e de reparcelamentos anteriores, devendo ser formalizado pedido de resilição pelo devedor em caso de parcelamento em curso.

            § 3° Aos parcelamentos e reparcelamentos em curso poderá ser aplicado, conforme o caso, o que segue:

            I – quando não tenham sido beneficiados anteriormente por redução de multas e/ou juros, aplicam-se as reduções previstas neste decreto, cumuladas ou não com parcelamento;

            II – quando beneficiados pelas reduções previstas no artigo 47-G da Lei n° 7.098, de 30 de dezembro de 1998, também se aplicam as reduções previstas neste decreto, cumuladas ou não com parcelamento;

            III – em relação aos demais contratos de parcelamentos, celebrados com redução de multas e/ou juros, aplicam-se as reduções previstas neste decreto, cumuladas ou não com parcelamento.

            § 4° Nas hipóteses previstas no § 3° deste artigo, para fins de aplicação dos benefícios previstos neste decreto, os débitos parcelados deverão ser recompostos, com a exclusão dos benefícios de redução de multas e/ou de juros anteriormente aplicados.

            § 5° Para cada valor consolidado segundo o caput e o § 1° deste artigo será celebrado um contrato de parcelamento.

            § 6° A critério da respectiva unidade gestora, os créditos tributários sob sua gestão, relativos a mais de uma certidão de dívida ativa ou a mais de um instrumento de constituição de crédito ou, ainda, a pelo menos, uma certidão e outro instrumento, relativos a um mesmo sujeito passivo, poderão ser objeto de único Termo de Confissão e Parcelamento de Débito, devendo ser observadas as regras previstas no artigo 163 do Código Tributário Nacional na imputação dos pagamentos realizados.

            Art. 3° Para quitação antecipada e integral do saldo remanescente decorrente de parcelamento ou reparcelamento concedido no âmbito do Programa de que trata este decreto, deverão ser observadas as disposições deste artigo.

            § 1° Para os fins deste artigo:

            I – o acordo original será reformulado para possibilitar a recomposição do débito para fins de quitação integral do saldo remanescente;

            II – o valor originário do débito deverá ser integralmente recomposto com a exclusão da aplicação de qualquer benefício;

            III – os valores pagos durante a vigência do acordo de parcelamento/reparcelamento, originalmente celebrado nos termos do Programa de que trata este decreto, serão utilizados para amortização do débito, na data do efetivo pagamento de cada parcela, mediante processamento da imputação de que trata o artigo 163 do Código Tributário Nacional (Lei n° 5.172, de 25 de outubro de 1966);

            IV – sobre o valor originário do saldo remanescente serão calculados os respectivos acréscimos legais e/ou penalidades, aplicando-se os redutores pertinentes, relativos às hipóteses de pagamento à vista, previstos neste decreto;

            V – o valor remanescente do débito deverá ser integralmente quitado até o último dia útil do mês em que ocorrer a reformulação do acordo.

            § 2° A falta de pagamento do débito, na forma e prazo indicados no § 1° deste artigo implicará o restabelecimento do acordo de parcelamento/reparcelamento, originalmente celebrado.

            § 3° As disposições deste artigo não alcançam acordos de parcelamento/reparcelamento já denunciados.

            CAPÍTULO II ADESÃO AO PROGRAMA REFIS/EXTRAORDINÁRIO II

            Art. 4° A adesão aos benefícios do Programa REFIS/Extraordinário II deverá ser expressa por meio de assinatura de Termo de Confissão e Parcelamento de Débito, conforme modelo fornecido pelas respectivas unidades gestoras, arroladas nos incisos do § 1° do artigo 1° deste regulamento, e implica o reconhecimento irretratável e irrevogável dos débitos nele indicados, podendo ser formalizado até 31 de maio de 2024.

            § 1° Em relação aos créditos tributários sob gestão da SEFAZ, o Termo de Confissão e Parcelamento de Débito será gerado em ambiente informatizado e disponibilizado pela SEFAZ, por meio de acesso privativo ao sistema fazendário pertinente, mediante login e senha de acesso privativo aos sistemas fazendários, disponibilizado no sítio eletrônico www.sefaz.mt.gov.br.

            § 2° O Termo de Confissão e Parcelamento de Débito deverá ser encaminhado à SEFAZ, devidamente assinado e com firma reconhecida do contribuinte ou do seu representante legal, em até 30 (trinta) dias a contar do pagamento da primeira parcela ou da parcela única, exceto se assinado com certificado digital da empresa e/ou dos sócios constantes no Cadastro de Contribuintes do Estado de Mato Grosso, hipótese em que poderá ser apresentado, no prazo citado, via protocolização de e-Process.

            § 3° Fica dispensado o reconhecimento de firma do Termo de Confissão e Parcelamento de Débito nas seguintes hipóteses:

            I – quando for assinado pelo requerente ou seu representante legal por meio de certificação digital;

            II – quando for assinado pelo contabilista credenciado junto à SEFAZ como responsável pela escrituração fiscal do contribuinte ou por seu preposto, em ambos os casos, identificados nos respectivos dados cadastrais;

            III – quando assinado por advogado regularmente constituído;

            IV – quando assinado o documento diante do servidor fazendário ou da Procuradoria-Geral do Estado, hipótese em que deverá ser lavrada sua autenticidade no próprio documento, pelo responsável pela recepção do Termo de Confissão e Parcelamento de Débito.

            § 4° Na hipótese de o Termo de Confissão e Parcelamento de Débito versar sobre reparcelamento com importância inferior a 300 (trezentas) UPFMT, fica dispensado seu encaminhamento à SEFAZ, nos termos do § 2° deste artigo.

            § 5° Na hipótese prevista no § 4° deste artigo, a formalização da respectiva opção pelo benefício e a homologação pertinente ocorrerão no momento da efetivação do pagamento à vista ou da primeira parcela.

            § 6° A formalização efetuada nos termos dos §§ 4° e 5° deste artigo terá o mesmo valor probante, para todos os fins de direito, que o documento assinado e arquivado fisicamente.

            § 7° Na hipótese do pagamento realizado em cota única em que o Termo de Confissão e Parcelamento de Débito versar sobre importância inferior a 5.000 (cinco mil) UPFMT, fica dispensado seu encaminhamento à SEFAZ, nos termos do § 2° deste artigo.

            § 8° Em relação aos créditos tributários sob gestão da PGE, o Termo de Confissão e Parcelamento de Débito será gerado e assinado pelo contribuinte ou seu representante legal junto ao setor de atendimento da Subprocuradoria-Geral Fiscal da PGE.

            § 9° A assinatura do Termo de Confissão e Parcelamento de Débito mencionado no caput deste artigo implica renúncia, de forma expressa e irretratável, ao direito sobre o qual se fundam eventuais ações de embargos à execução, impugnações, exceções ou ações de conhecimento, bem como a defesas e recursos apresentados no âmbito administrativo.

            § 10 Quanto aos créditos tributários geridos pela Procuradoria-Geral do Estado, o pagamento à vista ou da primeira parcela deverá ser realizado até o último dia útil do mês em que o acordo for realizado, sendo, porém, a sua efetivação condição essencial para o requerimento da suspensão da respectiva ação judicial, bem como para a concessão de anuência para o cancelamento de eventuais protestos e/ou negativações em bancos de dados e fornecimento, conforme o caso, de certidão negativa ou certidão positiva com efeitos de negativa.

            § 11 Quanto aos créditos tributários geridos pela Secretaria de Estado de Fazenda, será observado o seguinte:

            I – o pagamento à vista deverá ser realizado até o último dia útil do mês em que o acordo for realizado;

            II – o pagamento da primeira parcela deverá ser realizado no prazo de até 10 (dez) dias úteis, contados da data da celebração do Termo de Confissão e Parcelamento de Débito, sendo o referido pagamento condição essencial para a suspensão do crédito tributário.

            § 12 A desistência de eventuais ações ou embargos à execução, na forma prevista no § 9° deste artigo, será informada nos respectivos autos pela Fazenda Pública Estadual, se o sujeito passivo não o fizer espontaneamente, no prazo de 30 (trinta) dias, contados da data da homologação do pedido de parcelamento consubstanciado no respectivo Termo de Confissão e Parcelamento de Débito.

            § 13 Enquanto o parcelamento estiver sendo regularmente cumprido, o respectivo executivo fiscal permanecerá com o seu andamento suspenso.

            Art. 5° A adesão aos benefícios previstos no Programa REFIS/Extraordinário II não desobriga o interessado de promover, às suas expensas, o cancelamento do respectivo instrumento de protesto, ou de efetuar o pagamento das custas e emolumentos para a formalização da desistência dos apontamentos a protesto, em relação aos títulos já encaminhados para o Cartório de Protesto até o momento da assinatura do Termo de Confissão e Parcelamento de Débito pertinente.

            Parágrafo único Para atendimento ao disposto nos §§ 9°, 10 e 12 do artigo 4°, o sujeito passivo deve protocolizar requerimento de extinção do processo ou requerimento de desistência de ações, exceções de pré-executividade ou embargos à execução fiscal, na forma do artigo 487, III, “c”, do Código de Processo Civil, no prazo de 10 (dez) dias, contados da data do pagamento descrito no inciso I ou no inciso II do § 11 do artigo 4°.

            CAPÍTULO III BENEFÍCIOS DO PROGRAMA REFIS/EXTRAORDINÁRIO II

            Art. 6° Os créditos tributários relacionados com o ICM ou com o ICMS, consolidados na forma do artigo 2°, inscritos ou não em dívida ativa, decorrentes de fatos geradores ocorridos até 30 de junho de 2023, poderão ser liquidados mediante uma das seguintes formas:

            I – quando decorrente do descumprimento da obrigação principal:

            a)    com redução de 40% (quarenta por cento) do valor das multas e juros, para pagamento integral e à vista;

            b)    com redução de 30% (trinta por cento) do valor das multas e juros, para pagamento em 2 (duas) a 12 (doze) parcelas;

            c)    com redução de 20% (vinte por cento) do valor das multas e juros, para pagamento em 13 (treze) a 36 (trinta e seis) parcelas;

            d)   com redução de 10% (dez por cento) do valor das multas e juros, para pagamento em 37 (trinta e sete) a 60 (sessenta) parcelas;

            II – quando consistentes em penalidades pecuniárias por mero descumprimento de obrigações acessórias:

            a)    com redução de 40% (quarenta por cento), para pagamento integral e à vista;

            b)    com redução de 30% (trinta por cento), para pagamento em 2 (duas) a 4 (quatro) parcelas;

            c)    com redução de 20% (vinte por cento), para pagamento em 5 (cinco) a 8 (oito) parcelas;

            d)   com redução de 10% (dez por cento), para pagamento em 9 (nove) a 12 (doze) parcelas.

            Art. 7° Na hipótese de parcelamento, o pagamento dos créditos tributários com base no Programa REFIS/Extraordinário II deverá ser feito em parcelas mensais e sucessivas, as quais serão recompostas em conformidade com o disposto nos §§ 2° e 3° do artigo 934 do Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto n° 2.212, de 20 de março de 2014, respeitadas as reduções previstas no artigo 6°.

            Parágrafo único O valor mínimo de cada parcela será:

            I – para os créditos tributários sob gestão da SEFAZ: 1 (uma) UPFMT

            II – para os créditos tributários geridos pela PGE:

            a) 2 (duas) UPFMT, para débitos cujos valores com as reduções não superem R$ 5.000,00 (cinco mil reais);

            b) 4 (quatro) UPFMT, para débitos cujos valores com as reduções sejam superiores a R$ 5.000,00 (cinco mil reais) e não superem R$ 10.000,00 (dez mil reais);

            c) 6 (seis) UPFMT, para débitos cujos valores com as reduções sejam superiores a R$ 10.000,00 (dez mil reais) e não superem R$ 20.000,00 (vinte mil reais);

            d) 8 (oito) UPFMT, nas demais hipóteses.

            CAPÍTULO IV INADIMPLEMENTO DAS CONDIÇÕES DO PROGRAMA REFIS/EXTRAORDINÁRIO II

            Art. 8° No caso de recolhimento de parcela em atraso, serão aplicados os acréscimos legais previstos na Lei n° 7.098, de 30 de dezembro de 1998, respeitado o disposto no artigo 1° da Lei n° 12.358, de 15 de dezembro de 2023, em combinação com o disposto no Decreto n° 762, de 27 de fevereiro de 2024.

            Art. 9° O contrato celebrado em decorrência do Termo de Confissão e Parcelamento de Débito de que trata o Programa REFIS/Extraordinário II será considerado descumprido e sujeito à denúncia por ato da autoridade gestora do crédito quando, alternativamente:

            I – for constatado atraso, por prazo superior a 90 (noventa) dias do seu vencimento, no pagamento de qualquer parcela ou de parcela residual;

            II – ocorrer a inobservância de qualquer outra exigência estabelecida neste regulamento.

            Parágrafo único Verificada a ocorrência da denúncia, nos termos do caput deste artigo, deverão ser restabelecidos, em relação ao contrato, os valores originários das multas e dos juros dispensados e demais encargos legais, prosseguindo-se na cobrança do crédito tributário remanescente, bem como deverá ser promovida a inscrição em dívida ativa e adotados os demais atos necessários à execução do crédito tributário ou, se for o caso, à distribuição da execução ou à retomada do andamento da respectiva execução fiscal.

            CAPÍTULO V DISPOSIÇÕES ESPECIAIS

            Art. 10 A verba devida para o Fundo de Aperfeiçoamento dos Serviços Jurídicos da Procuradoria-Geral do Estado – FUNJUS, incidente sobre o valor do crédito tributário efetivamente pago com os benefícios deste decreto, poderá ser parcelada em até 24 (vinte e quatro) parcelas, mensais e sucessivas, limitadas ao valor mínimo de 5 (cinco) UPFMT por parcela.

            Art. 11 Os saldos residuais de parcelamentos interrompidos até a data da publicação deste decreto, inclusive os valores referentes ao FUNDESMAT e à verba devida ao FUNJUS, vinculados a crédito tributário pertinente ao ICM ou ao ICMS, formalizados junto à Procuradoria-Geral do Estado com base nas Leis n° 8.254, de 21 de dezembro de 2004, e n° 8.672, de 6 de julho de 2007, e suas alterações, e no Decreto n° 2.494, de 22 de abril de 2010, poderão ser regularizados nas mesmas condições estabelecidas neste decreto.

            Art. 12 Os benefícios concedidos com base neste decreto:

            I – aplicam-se sobre os saldos existentes de eventuais acordos celebrados, observado o disposto no § 4° do artigo 2°;

            II – não conferem qualquer direito a restituição ou compensação de importâncias já pagas ou compensadas anteriormente;

            III – ficam condicionados ao pagamento do crédito tributário, à vista ou parcelado, exclusivamente em moeda corrente, vedada a utilização de depósitos judiciais, bem como a utilização de qualquer outra modalidade de extinção.

            Art. 13 No que não contrariarem as disposições deste decreto, aplica-se no que couber o estatuído no Decreto n° 2.249, de 25 de novembro de 2009, que dispõe sobre o registro e o controle eletrônico concentrado de valores devidos ao Estado de Mato Grosso, por meio do Sistema Eletrônico de Conta Corrente Geral do Estado de Mato Grosso – CCG/SEFAZ, mantido no âmbito da Secretaria de Estado de Fazenda, e dá outras providências, especialmente, no que se refere à disponibilização, à formalização e ao processamento do Termo de Confissão e Parcelamento de Débito, ao indeferimento do pedido e à denúncia do acordo celebrado.

            Art. 14 Este decreto entra em vigor na data da sua publicação, produzindo efeitos a partir do 1° (primeiro) dia útil da semana imediatamente subsequente a da respectiva publicação.

            Art. 15 Revogam-se as disposições em contrário.

            Palácio Paiaguás, em Cuiabá – MT, 16 de abril  de 2024, 203° da Independência e 136° da República.

            Fonte: Assessoria de Comunicação – Governo de Mato Grosso

            Thiago & Castilho Advogados tributários
            Gostou? Compartilhe e marque nossa página!