alt="obrigação-tributária- principal-e-acessória"

Como o planejamento tributário pode ajudar no envio das obrigações acessórias

Acompanhe conteúdos e as movimentações práticas a respeito da interpretação do direito tributário para empresas

O envio das obrigações acessórias é uma responsabilidade que todas as empresas têm perante o governo. Essas obrigações incluem declarações de impostos, relatórios contábeis e outras informações que devem ser enviadas regularmente. No entanto, o processo pode ser complexo e sujeito a erros. Neste post, discutiremos como o planejamento tributário pode ajudar as empresas a simplificar e otimizar o envio das obrigações acessórias.

As obrigações acessórias são um conjunto de informações e documentos que as empresas devem fornecer aos órgãos fiscais e reguladores para comprovar a regularidade de suas atividades. Essas obrigações pretendem auxiliar na fiscalização e controle das transações comerciais, garantindo a transparência e a conformidade das operações.

Redução da carga tributária

Um dos principais benefícios do planejamento tributário é a redução da carga tributária. Ao analisar cuidadosamente a legislação fiscal e identificar oportunidades legais de economia, as empresas podem ajustar sua estratégia tributária de forma a pagar menos impostos. Isso não apenas resulta em economia de recursos financeiros, mas também pode simplificar o processo de envio das obrigações acessórias, uma vez que há menos impostos a serem calculados e declarados.

Além disso, ao reduzir a carga tributária, as empresas podem melhorar sua competitividade no mercado. Com menos recursos destinados ao pagamento de impostos, elas podem investir mais em outras áreas do negócio, como inovação, marketing e expansão. Dessa forma, o planejamento tributário não apenas ajuda no envio das obrigações acessórias, mas também contribui para o crescimento e desenvolvimento da empresa.

Eliminação de riscos de autuações

Outro aspecto importante do planejamento tributário é a eliminação de riscos de autuações. Ao entender as leis fiscais e regulamentações aplicáveis ao seu negócio, as empresas podem evitar erros e inconsistências que podem levar a autuações por parte do governo. Isso não apenas evita possíveis multas e penalidades, mas também simplifica o processo de envio das obrigações acessórias, pois a empresa está agindo em conformidade com a legislação fiscal.

Além disso, ao eliminar os riscos de autuações, as empresas podem ter uma imagem mais sólida perante seus clientes, parceiros e investidores. A conformidade com as leis fiscais demonstra responsabilidade e transparência, o que pode gerar confiança e credibilidade para a empresa. Portanto, o planejamento tributário não apenas ajuda no envio das obrigações acessórias, mas também fortalece a reputação e a imagem da empresa no mercado.

Melhoria da organização financeira

Um terceiro benefício do planejamento tributário é a melhoria da organização financeira. Ao realizar um planejamento tributário eficiente, as empresas podem analisar e otimizar sua estrutura financeira, identificando áreas de ineficiência e oportunidades de melhoria. Isso resulta em uma gestão financeira mais eficiente e precisa, facilitando o envio das obrigações acessórias, uma vez que as informações financeiras estão organizadas e atualizadas.

Além disso, a melhoria da organização financeira promovida pelo planejamento tributário pode levar a uma maior agilidade e eficácia na tomada de decisões. Com dados financeiros precisos e atualizados, as empresas podem ter uma visão clara da sua situação financeira e, assim, tomar decisões estratégicas mais embasadas. Isso contribui para o sucesso a longo prazo da empresa, além de facilitar o envio das obrigações acessórias.

O que são Obrigações Acessórias?

As obrigações acessórias são um conjunto de informações e documentos que as empresas devem fornecer aos órgãos fiscais e reguladores para comprovar a regularidade de suas atividades. Essas obrigações visam auxiliar na fiscalização e controle das transações comerciais, garantindo a transparência e a conformidade das operações.

Elas são declarações mensais, trimestrais e anuais, onde constam informações sobre a empresa. Elas devem ser declaradas ao Governo (federal, estadual ou municipal) e tem como principal objetivo que o próprio contribuinte (empresa) declare as informações solicitadas, podendo ser sobre a receita efetivada, os impostos apurados, além da parte trabalhista, quando são declaradas informações sobre a movimentação dos empregados na folha de pagamento e os encargos gerados sobre os salários pagos.

Obrigação tributária principal e acessória, entenda a diferença:

A obrigação tributária principal é aquela onde o contribuinte é obrigado a pagar o imposto devido ao estado, como o Imposto de Renda ou o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Ela representa o dever fundamental do contribuinte de arcar com o ônus financeiro do imposto, ou seja, é a obrigação de pagar o valor estabelecido pela legislação tributária.

Por outro lado, a obrigação tributária acessória é aquela no qual o contribuinte precisa cumprir diversas obrigações administrativas, além do pagamento do imposto em si. Essas obrigações podem variar de acordo com o tipo de tributo e a atividade exercida pelo contribuinte, mas envolvem geralmente a emissão de notas fiscais, a entrega de declarações e a manutenção de registros contábeis.

Obrigação Tributária Principal

A obrigação tributária principal é aquela que se refere diretamente ao pagamento do imposto devido. Ela é a obrigação principal do contribuinte perante o Estado e representa o vínculo jurídico que o obriga a pagar um determinado valor em impostos. Por exemplo, quando uma empresa emite uma nota fiscal de venda de um produto, ela está assumindo a obrigação tributária principal de pagar o imposto sobre aquela operação.

Obrigação Tributária Acessória

Já a obrigação tributária acessória é aquela que se refere ao cumprimento de obrigações formais, como a entrega de declarações, documentos ou informações ao fisco. Essas obrigações são necessárias para que o Estado possa fiscalizar e controlar o cumprimento das obrigações principais. Um exemplo comum de obrigação tributária acessória é a entrega da declaração de Imposto de Renda, na qual os contribuintes devem informar seus rendimentos e deduções.

A principal diferença entre as duas está no objetivo e na natureza das obrigações. Enquanto a obrigação principal está relacionada diretamente ao pagamento do imposto, a obrigação acessória está voltada para as ações e procedimentos que garantem a correta apuração, fiscalização e controle dos impostos.

É importante ressaltar que tanto a obrigação tributária principal quanto a acessória são fundamentais para o cumprimento das obrigações fiscais. O não cumprimento adequado dessas obrigações pode acarretar em penalidades, como multas e juros, além de poder gerar problemas com a Receita Federal ou órgãos fiscalizadores.

Você também pode gostar de ler:

Execução fiscal: Quais são os bens que não podem ser penhorados

Conclusão

O planejamento tributário é uma estratégia fundamental para ajudar as empresas no envio das obrigações acessórias. Ao reduzir a carga tributária, eliminar riscos de autuações e melhorar a organização financeira, as empresas podem simplificar e otimizar o processo de envio das obrigações acessórias. Além disso, o planejamento tributário contribui para o crescimento da empresa, fortalece sua reputação e facilita a tomada de decisões estratégicas. Portanto, é essencial que as empresas invistam em um planejamento tributário adequado, garantindo a conformidade legal e maximizando seus recursos financeiros.

Gostou? Compartilhe e marque nossa página!